sábado, 29 de setembro de 2007

pra começar nova vida!




Rosa Maria
Aníbal Da Silva / Éden Silva
Um dia
Encontrei Rosa Maria
Na beira da praia a soluçar
Eu perguntei o que aconteceu
Rosa Maria me respondeu
O nosso amor morreu

voz. bethania e paulinho da viola
cena. saravah

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

mora na filosofia

Mora na filosofia

Eu vou lhe dar a decisão
Botei na balança e você não pesou
Botei na peneira e você não passou
Mora na filosofia pra quê rimar amor e dor
Mora na filosofia pra quê rimar amor e dor

Se seu corpo ficasse marcado
Por lábios ou mãos carinhosas
Eu saberia ora, vai mulher
A quantos você pertencia
Não vou me preocupar em ver
Seu caso não é de ver pra crer
Tá na cara!

voz. caetano veloso.
música. monsueto menezes.

+ marrabenta.

um dos poucos trechos que consegui entender.

"pra sofrer é tão fácil
mas pra não sofrer é que é difícil"


"quem chora não tem tempo de pensar,
só tem tempo de chorar.
quem grita não tem tempo de pensar,
só tem tempo de barulho"

***********

filosofia moçambicana!

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

conhecendo humberto mauro.

em 1945, humberto mauro realizou o primeiro video-clip do brasil, traduzindo em imagens duas canções populares (chuá-chuá e casinha pequena), repetiu a dose em 48, 54, 55 e 56, ao todo 11 clips. "brasilianas".


essa é a sua pior fase, trabalhando no finado ince (instituto nacional de cinema educativo), realizou filmes que abusam da superficialidade própria do didatismo e dos interesses da época, mas os clips salvam-se. pior mesmo é aguentar "descobrimento do brasil", ainda que a música seja de villa-lobos.

o melhor dessa época é a fotografia de adhemar gonzaga... que infelizmente acabou-se na chanchada.



mas "tesouro perdido" e "ganga bruta", orginários de outra fase, são filmes que valem a pena serem revistos. por esses dois filmes foi chamado por glauber de "o pai do cinema brasileiro" e admirado por nelson pereira dos santos, paulo césar sarraceni e alex viany.

d. bowie

eu também aprendo por osmose. thanks!


segunda-feira, 17 de setembro de 2007

eu te amo - arnaldo jabor




eu sou o decadente-paulo, você a maria-louca.
eu sou a louca-maria, você o paulo-decadente.

eu sou o carente paulo, você a maria-vai-com-as-outras.
eu sou a vai-com-as-outras-maria, você o paulo-carente.

nós somos a agonia
perdida.

******

fechamos as cortinas. destruímos bergman.

******

"eu te amo" - arnaldo jabor.

tudo bem - arnaldo jabor


arnaldo jabor é puro surrealismo.

"tudo bem" é o mais puro buñuel de "o discreto charme da burguesia". uma antropofagia bem feita, bem digerida. não se trata apenas de incorporar e modificar estrangeirismos, é autêntico. é um desmascaramento autêntico de nós mesmos.

alí está a nossa classe média, com suas hipocrisias, caridades e falências. está o salvador, o dinheiro, o dólar, o empresário, o americano. está o povo com o seu coro de senso comum e sua religiosidade turva. os personagens de jabor não são fantoches são homens, por isso capazes de tudo...

domingo, 16 de setembro de 2007

cancioneiro de niassa

em acampamentos militares portugueses, em moçambique, durante a guerra de libertação colonial, as tropas portuguesas já um pouco mais sabedoras do que se tratava aquela peleja, ao contrário dos primeiros combatentes, produziram fados que retratavam as condições da luta, de forma humorística e, às vezes, satírica.

esses fados são conhecidos como o "cancioneiro de niassa" e eram uma forma de protesto, inclusive contra a guerra.

*****

"VENTOS DE GUERRA"

De quantos sacrifícios senhores que em mim mandam
É feita a vida dum soldado
De quantas noites perdidas no mato
É feita vida dum guerreiro
São ventos de guerra
Não penses amigo
Que a hora que passa é de perigo

De quantos tiros senhores que me ordenam
É feita a vida dum soldado
De quantas minas senhores que em mim mandam
É feita a vida dum guerreiro

Quem limpa senhores as manchas de sangue
Que os jovens deixam na picada
Quem limpa senhores lágrimas choradas
Por noivas e mães adoradas

São ventos de guerra...
São ventos de guerra...

De quantas saudades senhores que em mim mandam
É feita a vida dum soldado
E quantas loucuras senhores que me ordenam
Contém a vida dum guerreiro

De quantos desgostos senhores que em mim mandam
É feita a vida dum soldado
E quanto vinho senhores que me ordenam
Se deve beber p'ra esquecer

São ventos de guerra
São ventos de guerra

E quantas vezes senhores que em mim mandam
Se deve expor a vida ao perigo
E quantos gritos se devem soltar
Para se acreditar que está vivo.

Quantas idéias tombadas na luta
Quantas esperanças perdidas
Quanto sangue deve um jovem verter
Antes que o chamem de homem

São ventos de guerra...

sábado, 15 de setembro de 2007

sabadão começando...


disco: jimi hendrix - are you experienced?

música: i dont live today!

volume: máximo.

cigarro e prazer! uauuuuu

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

caixa-preta




"Você é a tristeza da minha cabeça calva
a melancolia das minhas longas unhas:
você vai me ouvir no reboco das suas paredes
no ranger noturno do seu assoalho"
Natan Alterman

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

mais música...

Rocks
(Caetano Veloso)
tatuou um ganesh na coxa
chegou com a boca roxa de botox
exigindo rocks
animais
metais
totais
letais
eu não dei letra
tu é gênia, gata, etc.
mas cê foi mesmo rata demais
meu grito inimigo é:
você foi mor rata comigo
você foi concreta e simplesmente
rata comigo demais,
rata comigo demais
rata


terça-feira, 11 de setembro de 2007

Vou deitar e rolar.....

"Vou Deitar e Rolar"
(Baden Powell / Paulo César Pinheiro)

Não venha querer me consolar
Que agora não dá mais pé
Nem nunca mais vai dar
Também quem mandou se levantar
Quem levantou pra sair
Perde o lugar

E agora, cadê teu novo amor
Cadê que ele nunca funcionou
Cadê que nada resolveu

Quaquaraquaquá, quem riu
Quaquaraquaquá, fui eu
Quaquaraquaquá, quem riu
Quaquaraquaquá, fui eu

ainda sou mais eu


voz: elis regina


amós oz

"o problema é que você tem sido mimado. e de qualquer forma, você não entende. desde o começo da minha vida estou acostumado a levar três pontapés por dia, e nunca joguei caixotes em ninguém. (....)

quanto a você, boaz, um rapaz a quem o céu deu beleza física e porte, maravilhosas habilidades manuais e uma aparência de príncipe, você já começou a seguir os caminhos enlameados de seu pai: arrogância, crueldade, perversidade. causando sofrimentos. violência."

(caixa preta - amós oz - pag. 54)

"o amor é estranho para você. Nem mesmo o sentido da palavra você sabe. destruir, esmagar, exterminar, mentir, subjugar, expurgar, bater, queimar, urrar, liquidar, incendiar, arder - estas são as medidas do seu mundo e as paisagens da lua entre as quais você perambula (..)"

(caixa preta- amós oz - pag.117)

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

guimarães rosa e o cinema...

pra quem curte adaptações literárias "a hora e a vez de augusto matraga" de roberto santos chega perto da força do conto de guimarães rosa, o último do livro "sagarana". vale a pena tanto quanto "vidas secas" de nelson pereira dos santos. a filmagem é cinema-novista, a fotografia é fascinante e os diálogos são semelhantes ao conto.



(leonardo vilar em "a hora e a vez...")

a palavra escrita de guimarães não precisa do filme, basta-se; já o filme precisa do texto e dele vive. principalmente para aqueles que não conseguem imaginar o mundo de guimarães, que não conhecem o sertão, o filme é fundamental. Para falta de imaginação: cinema!
(ps: solano trindade faz uma participação no filme, já no final).

já "corpo fechado" do mesmo livro de guimarães rosa foi filmado em teleteatro com lima duarte em seu papel principal. o filme é burocrático, mas a presença de lima duarte é destruidora. é possível ver nesse filme uma excelente atuação e um ótimo texto, mas um péssimo diretor.

sábado, 8 de setembro de 2007

cabra marcado para morrer...


"cabra marcado para morrer" - eduardo coutinho


eduardo coutinho é um gênero, ele não faz documentário, ele faz "eduardo coutinho".
- sem comentários -

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

van gogh..


quanto mais leio sobre van gogh mais aquela imagem de homem atormentado ou enlouquecido se desfaz. não irei dizer que ele sabia como controlar bem suas emoções, isso seria uma grande mentira, mas a áurea de loucura que o cerca se desfaz a cada carta que leio.

acredito sim que ele tenha sido um homem realmente intenso. quando ousou acreditar em cristo, quis ser como ele; viver suas idéias, pobreza, humildade e todo o resto da sua infeliz doutrina. o que ele não sabia, por ingenuidade ou por burrice mesmo, era que a igreja, seja ela católica ou protestante, não desejava um homem assim.

após tornar-se seminarista e tomar conta de uma paróquia por seis meses, foi lhe negado o cargo que desejava. ele havia deixado tudo pra trás... roupas, casa e conforto para viver como acreditava, mas “um homem que não se preocupava consigo mesmo não servia como exemplo para os demais”. assim, perdeu a fé nos homens e na religião.

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

secura e rio...

foi na pancada do ganzá que ele se revelou com seu cantar doce e bêbado. foi o maior expoente do coco de embolada, em uma época de descobertas da cultura popular. chico antônio.

mário de andrade lhe rendeu 5 obras ("os cocos", "danças dramáticas do brasil", "vida de cantador", "turista aprendiz" e "melodias do boi e outras peças") e lágrimas.

....

ahhh doce embolada de chico antônio.

me fez rio onde havia apenas secura.

ouço "no balanço do ganzá - chico antônio"




na foto: chico antônio.
por: mário de andrade.

a terceira margem do rio

milton nascimento e caetano veloso

Oco de pau que diz: eu sou madeira, beira
Boa, dá vau, triztriz, risca certeira
Meio a meio o rio ri, silencioso, sério
Nosso pai não diz, diz: risca terceira
Água da palavra, água calada, pura
Água da palavra, água de rosa dura
Proa da palavra, duro silêncio, nosso pai,
Margem da palavra entre as escuras duas
Margens da palavra, clareira, luz madura
Rosa da palavra, puro silêncio, nosso pai
Meio a meio o rio ri por entre as árvores da vida
O rio riu, ri por sob a risca da canoa
O rio riu, ri o que ninguém jamais olvida
Ouvi, ouvi, ouvi a voz das águas
Asa da palavra, asa parada agora
asa da palavra, onde o silêncio mora
Brasa da palavra, a hora clara, nosso pai
Hora da palavra, quando não se diz nada
Fora da palavra, quando mais dentro aflora
Tora da palavra, rio, pau enorme, nosso pai


terça-feira, 4 de setembro de 2007

marrabentando...

originário da região sul de moçambique a marrabenta é um estilo musical com fortes raízes tradicionais. atualmente é tão popular, que acabou por incorporar tecnologias de outras culturas e, assim, como em qualquer outra arte, pode-se falar de bons e péssimos cantores.

é conhecida como uma música de dança. pela foto dá pra se ter uma idéia de onde vem o rebolado brasileiro. mas apesar disso suas letras são de forte conteúdo social, retratando muito o imaginário da sociedade moçambicana.

dá-lhe marrabenta!


ouvindo: orchestra marrabenta star de moçambique.

sábado, 1 de setembro de 2007

melhores e piores do cinema brasileiro....

MELHORES FILMES BRASILEIROS

1. Rio 40 Graus - Nelson Pereira dos Santos
2. Terra em Transe - Glauber Rocha
3. Macunaíma - Joaquim Pedro de Andrade
4. Cabra Marcado para Morrer - Eduardo Coutinho
5. Pixote, A Lei do Mais Fraco - Hector Babenco
6. O Bandido da Luz Vermelha - Rogério Sganzerla
7. Quando Vale ou é Por Quilo - Sérgio Bianchi
8.Deus e o Diabo na Terra do Sol - Glauber Rocha
9. Os Fuzis - Ruy Guerra
10. Você Também Pode Dar Um Presunto Legal - Sérgio Muniz
11. Noite Vazia - Walter Hugo Khouri
12. Os Cafajestes - Ruy Guerra
13. O Desafio - Paulo César Sarraceni
14. Vidas Secas - Nelson Pereira dos Santos
15. Cinco Vezes Favela - Joaquim Pedro de Andrade, Leon Hirszman, Miguel Borges, Carlos Diegues e Marcos Farias
16. Cronicamente Inviável - Sérgio Bianchi
17. A Opinião Pública - Arnaldo Jabor
18. Iracema, Uma Transa Amazônica - Orlando Senna e Jorge Bodanzky
19. Uma Avenida Chamada Brasil - Octávio Bezerra
20. Índios no Brasil - Vincent Carelli
21. Tudo é Brasil - Rogério Sganzerla
22. Madame Satã - Karim Ainouz
23. Eu Te Amo - Arnaldo Jabor
24. Eu Sei que Vou te Amar - Arnaldo Jabor
25. Estamira - Marcos Prado.
26. Edifício Master - Eduardo Coutinho
27. Rio, Zona Norte - Nelson Pereira dos Santos
28. Ônibus 174 - José Padilha
29. Jogo de Cena - Eduardo Coutinho
30. Bye Bye Brasil - Carlos Diegues
31. Linha de Passe - Walter Salles e Daniela Thomas
32. Tudo Bem - Arnaldo Jabor
33. O Pagador de Promessas - Anselmo Duarte
34. Baixio das Bestas - Cláudio Assis
35. O Céu de Suely - Karim Ainouz
36. O Signo do Caos - Rogério Sganzerla
37. O Homem do Pau Brasil - Joaquim Pedro de Andrade
38. Olhar Estrangeiro - Lúcia Murat
39. Luta na Terra de Makunaima - Luiz Carlos Azenha
40. Boca de Lixo - Eduardo Coutinho
41. Amarelo Manga - Cláudio Assis
42. Amor Estranho Amor - Walter Hugo Khouri
43. O Prisioneiro da Grade de Ferro - Paulo Sacramento
44. Cidade Baixa - Sérgio Machado
45. Cinema, Aspirinas e Urubus - Marcelo Gomes
46.Doces Bárbaros - Jom Tob Azulay
47. A Negação do Brasil - Joel Zito Araújo
48. Cidade de Deus - Fernando Meirelles
49. Central do Brasil - Walter Salles
50. Oscar Niemeyer: A Vida é Um Sopro - Fabiano Maciel
51. Questão de Gênero - Rodrigo Najar
52.Vale a Pena Sonhar - Sandra Grisotti e Rudi Böhm
53. Hércules 56 - Silvio Da-Rin
54. Eles Não Usam Black-Tie -Leon Hirszman
55. O Sertão Mundo de Suassuna - Douglas Machado
56. Solano Trindade - Alessandro Guedes e Helder Vieira

PIORES FILMES BRASILEIROS
1. Cazuza: O Tempo Não Pára - Sandra Werneck e Walter Carvalho
2. Olga - Jayme Monjardim
3. Tropa de Elite - José Padilha
4. Descobrimento do Brasil - Humberto Mauro
5. 2 Filhos de Francisco - Breno Silveira
6. Veja Esta Canção - Carlos Diegues
7. Deus é Brasileiro - Carlos Diegues
8. . Se Eu Fosse Você 1 e 2 - Daniel Filho
9. Caramuru: A Invenção do Brasil - Guel Arraes
10. Sexo, Amor e Traição - Jorge Fernando
10. TODOS DA XUXA
11. TODOS DOS TRAPALHÕES
12. Zuzu Angel - Sérgio Rezende
13. Os Desafinados - Walter Lima Jr.
14. Lisbela e o Prisioneiro - Guel Arraes
15. Avassaladoras - Mara Mourão
16. Cafundó - Paulo Betti
17. O Primo Basílio - Daniel Filho
18. A Grande Família - Guel Arraes
19. O Caminho das Nuvens - Vicente Amorim
20. Garotas do ABC - Carlos Reichenbach
21. O Homem Que Desafiou o Diabo - Moacyr Góes
22. TODOS DO CASSETA E PLANETA

MENÇÕES HONROSAS:
1. Eles Não Usam Black-Tie -Leon Hirszman
2. Maranhão 66 - Glauber Rocha
3. Aruanda - Linduarte Noronha
4. Solano Trindade - Alessandro Guedes e Helder Vieira
5. O Sertão Mundo de Suassuna - Douglas Machado
6. Hércules 56 - Silvio Da-Rin
7. Di Glauber - Glauber Rocha
8. Toda Nudez Será Castigada - Arnaldo Jabor
9. A Hora e a Vez de Augusto Matraga - Roberto Santos
10. Limite - Mário Peixoto
11. Desmundo - Alain Fresnot
12. O Poder do Machado de Xango - Paulo Gil Soares
13. Brasília, Contradições de Uma Cidade Nova - Joaquim Pedro de Andrade
14. ABC da Greve - Leon Hirszman2
15. Timo Leste: O Massacre Que o Mundo Não Viu - Lucélia Santos
16. Teodorico, Imperador do Sertão - Eduardo Coutinho
17. O Circo - Arnaldo Jabor
18. Boca de Ouro - Nelson Perreira dos Santos
19. A Marvada Carne - André Klotzel
20. A Mulher de Todos - Rogério Sganzerla
21. Xica da Silva - Carlos Diegues
22. Doce Amargo - André Luiz Oliveira
23. Dona Flor e Seus Dois Maridos - Bruno Barreto
24. Batismo de Sangue - Helvécio Ratton
25. Dias de Nietzsche em Turim - Julio Bressane
26. Maria Bethânia - Júlio Bressane
27. Patativa do Assaré: Ave Poesia - Rosemberg Cariry
28. Bahia de Todos os Sambas - Leon Hirszman e Paulo Cesar Saraceni3
29. Baile Perfumado - Lírio Ferreira e Paulo Caldas
30. B2 - Rogério Sganzerla
31. Um Copo de Cólera - Aluízio Abranches
32. A Hora da Estrela - Suzana Amaral
33. Árido Movie - Lirio Ferreira
34. Babilônia 2000 - Eduardo Coutinho
35. Cildo Meireles - Wilson Coutinho
36. Pierre Fatumbi Verger: Mensageiro Entre Dois Mundos - Luiz Buarque de Hollanda
37. O Que é Isso Companheiro? - Bruno Barreto
38. João do Vale: muita gente desconhece - Werinto Kermes e Sorocaba
39. Hans Staden - Luiz Alberto Pereira
40. Poeta do Castelo - Joaquim Pedro de Andrade
41. A Linguagem da Persuasão - Joaquim Pedro de Andrade

PROBLEMA: FILMES PARA ASSISTIR.
1. Ao Sul do Meu Corpo - Paulo Cesar Saraceni
2. O Beijo da Mulher Aranha - Hector Babenco
3. O Cangaceiro - Lima Barreto
4. Santuário - Lima Barreto
5. Eu Matei Lúcio Flávio - Antônio Calmon
6. Ganga Zumba - Carlos Diegues
7. Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia - Hector Babenco
8. Porto das Caixas - Paulo Cesar Saraceni
9. O Grande Momento - Roberto Santos
10. São Paulo SA - Sérgio Person
11. Arraial do Cabo - Paulo Cesar Saraceni
12. A Grande Feira - Roberto Pires