quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Cantiga - Curros

En el jardín una noche sentada
Al reflejo de la blanca luna
Una niña lloraba sin pausa
los desdenes de un ingrato galán

Y la pobre entre lágrimas decía
"ya en el mundo nadie
voy a morir y no van a ver mis ojos
los ojitos de mi bien"

Sus ecos de melancolía
caminaban en las alas del viento
y el lamento
repetía:
"voy a morir y no viene mi bien"

Lejos de ella, de pie sobre la popa
de un aleve negrero de vapor
emigrado, camino de américa
va el pobre, infeliz amador

Y al mirar a las gentiles golondrinas
hacia la tierra que acaba de dejar
"quien pudiera dar vuelta-pensaba-
quien pudiera con vosotras volar!"

pero las aves y el barco huían
sin oír sus amargos lamentos
solo los vientos
repetían
"quien pudiera con vosotras volar"

Noches claras, de aromas y luna
desde entonces, que tristeza hai
para los que vieron llorar a una niña
para los que vieron un barco marchar

De un amor celestial, verdadero
quedó sólo, de lágrimas la prueba
una cueva
en un monte
y un cadáver en el fondo del mar

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

o óbvio

Caetano Veloso - Sampa
Alguma coisa acontece no meu coração
que só quando cruzo a Ipiranga e a Avenida São João
é que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
da dura poesia concreta de tuas esquinas
da deselegância discreta de tuas meninas

Ainda não havia para mim Rita Lee, a tua mais completa
tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
que só quando cruzo a Ipiranga e a Avenida São João

Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu
rosto
chamei de mau gosto o que vi
de mau gosto, mau gosto
é que Narciso acha feio o que não é espelho
e a mente apavora o que ainda não é mesmo velho
nada do que não era antes quando não somos mutantes

E foste um difícil começo
afasto o que não conheço
e quem vende outro sonho feliz de cidade
aprende de pressa a chamar-te de realidade
porque és o avesso do avesso do avesso do avesso

Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas
da força da grana que ergue e destrói coisas belas
da feia fumaça que sobe apagando as estrelas
eu vejo surgir teus poetas de campos e espaços
tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva

Panaméricas de Áfricas utópicas, túmulo do samba
mais possível novo quilombo de Zumbi
e os novos baianos passeiam na tua garoa
e novos baianos te podem curtir numa boa.


* a música, na verdade, foi só um pretexto óbvio para postar o quadro "narciso" de um dos melhores pintores italiano: "caravaggio" - o mestre das sombras, o maldito.

* sugestão: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=951282

* clique no imagem para ver o quadro melhor.

terça-feira, 16 de outubro de 2007

viciado em munch


the dance of life - edvard munch

* quem é você nesse salão?
* clique no imagem para ver o quadro melhor.

quase dois irmãos - lúcia murat

"quase dois irmãos" de lúcia murat é mais um filme brasileiro dentro do gênero "cidade de deus". o filme se propõe a analisar a relação entre classe média e favela em três períodos diferentes - anos 50, 70 e atualidade.


não é um filme brilhante, por serem tantos os problemas brasileiros nessas épocas, o roteiro termina por ser frágil e muitas vezes superficial. mas não é mal intencionado. a melhor parte do filme é a década de 70, como ex-guerrilheira, lúcia parece entender bem as contradições do universo que retrata, mas a sua sociologia e sua câmera não atingem a mesma qualidade nos outros tempos do filme. vale destacar a excelente atuação de flávio bauraqui, a tabu de "madame satã".

domingo, 14 de outubro de 2007

tropa de elite - josé padilha


não era preciso nenhum poder especial pra identificar qual a ideologia que está por trás de um filme como "tropa de elite". me lembrou desde o começo aquela propaganda, que já tinha caído em descrédito, que culpava o usuário de droga pelo tráfico e pela violência no brasil.

o filme segue a linha de "cidade de deus", mas vem carregado da ideologia tola do seu diretor. josé padilha que fez o maravilhoso "ônibus 174", agora dirige um dos filmes mais mal-intencionados do cinema brasileiro recente. padilha não é um contador de histórias, seu cinema é um propagador de idéias, isso estava bem claro também no seu filme anterior.

agora basta ler a veja (edição 2030 e 2031) e ver o estrago que padilha começou a causar no imaginário coletivo brasileiro no que se refere à violência, drogas e policiais. esse filme vai alavancar idéias retrógadas que não visam resolver problema algum e sim distribuir a culpa e justificar à violência. agora vai ficar mais fácil explicar os excessos policiais.

maldita hora que esse filme foi pirateado, se tivesse no cinema ninguém assistiria. mas a pirataria foi pra televisão e virou marketing.

é preciso avisar aos ambulantes de dvds piratas que "terra em transe", "macunaíma", "pixote" são filmes já disponíveis pra cópia pirata. quem sabe entram no gosto popular....

munch - the vampire

macunaíma - joaquim pedro de andrade


"macunaíma" de joaquim pedro de andrade é um dos melhores filmes do cinema brasileiro. uma obra de arte. e parece ser a grande influência para os filmes, de sérgio bianchi, "cronicamente inviável" e "quanto vale ou é por quilo?". é crítica ácida, é sátira dessa identidade fajunta que se chama brasileira.

* aplausos para grande otelo e seu maravilhoso macunaíma.

sérgio rezende e o ince


sérgio rezende é o rei do didatismo do cinema brasileiro, ele é o falecido ince (instituto de cinema educativo). seus filmes giram quase sempre em torno da história recente brasileira. nesse jogo de forças entre história e arte (cinema) as duas partes saem perdendo.

historicamente. suas histórias se dividem sempre entre bons e maus e o exemplo mais gritante disso é "mauá: o imperador e o rei", mas também "lamarca", "guerra de canudos" e "zuzu angel". esse maniqueísmo leva sempre, em seus filmes, a uma visão superficial dos fatos, mas que interessa a intelectualidade brasileira porque esquerdista. as histórias agradam porque são unilaterais e sem profundidade. não há drama. não há mise-en-scène.

cinematograficamente. a maior parte dos seus filmes se aproximam de seriados globais. não há inovações estéticas. não há preocupação formal. o que interessa sempre é o que está se contando. como o que se fala é superficial, a forma não se destrói porque não foi construída.

assim, sugiro que os filmes de sérgio rezende sejam poupados do espetáculo da arte e da burguesia - o cinema - e sejam sempre direcionados para as salas de aula, onde servirão sempre como uma introdução superficial aos temas tratados.

sugestões:
sobre zuzu angel.
http://www.digestivocultural.com/colunistas/imprimir.asp?codigo=2023


terça-feira, 9 de outubro de 2007

alguém morreu.

Blues da Piedade
(Cazuza e Frejat)

Agora eu vou cantar pros miseráveis
Que vagam pelo mundo derrotados
Pra essas sementes mal plantadas
Que já crescem com cara de abortadas
Pras pessoas de alma bem pequena
Remoendo pequenos problemas
Querendo sempre aquilo que não têm
Pra quem vê a luz
Mas não ilumina suas minicertezas
Vive contando dinheiro
E não muda quando é lua cheia
Pra quem não sabe amar
Fica esperando
Alguém que caiba no seu sonho
Como varizes que vão aumentando
Como insetos em volta da lâmpada
Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Pra essa gente careta e covarde
Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem
Quero cantar só para as pessoas fracas
Que estão no mundo e perderam a viagem
Quero cantar o blues
Com o pastor e o bumbo na praça
Vamos pedir piedade
Pois há um incêndio sob a chuva rala
Somos iguais em desgraça
Vamos cantar o blues da piedade
Vamos pedir piedade...

negra sombra - rosalía de castro

cuando pienso que te fuiste
negra sombra que me asombras,

al pie de mis cabezales

vuelves haciéndome mofa.


cuando imagino que te has ido,

en el mismo sol te me muestras,

y eres la estrella que brilla

y eres el viento que suena.


si cantan eres tú quien cantas,
si lloran eres tú quien lloras,
Y eres el murmullo del río

y eres la noche y eres la aurora.


en todo estás y tú eres todo,

para mi y en mi misma moras,

no me abandonarás nunca,

sombra que siempre me asombras.

"contra todos" de roberto moreira


"contra todos" é um filme médio. até vale a pena assistir. a direção é de roberto moreira, um seguidor de fernando meirelles.

o bom do filme é ver personagens como teodoro no cinema. ele é pai de família e evangélico. um autêntico boa-praça e com uma máscara perfeita de bom cristão. mas mantém duas famílias que não sabem da existência uma da outra, é traficante de cocaína e quando precisa um excelente matador. seu lema é "sua propaganda é o seu respeito". teodoro é pura destruição. o que dizer então dos evangélicos do filme? reunem-se em uma confraria como se pudessem evitar "o mal", mas evitam ou cegam-se?

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

felicidade clandestina

voltando ao velhos hábito de escrever em portas. reabilitando antigas frases....


"a ignorância é um terror infantil" (pasolini)

iracema, uma transa amazônica

diz hector babenco sobre o filme: "dois grandes marcos que de fato me puxaram o tapete na história do cinema brasileiro: um deles é deus e o diabo na terra do sol e o segundo foi iracema, quando ficou pronto. eu realmente considero dois arquétipos totalmente opostos, porque se o glauber trazia a utopia, a paródia, a coisa operística para a miséria brasileira, iracema arregaçou as mangas e contou uma história totalmente fincada no suor dos personagens. e aquele final dela, usando aquela bota de borracha, xingando ele [tião] e ele que representava um brasil do sonho e todos os brasileiros, que era um sonho de realização social, financeiro, de ocupar um espaço... se vê totalmente despedaçado, arrebentado de uma forma tão tosca e tão pungente e tão dramática. aquele final talvez seja uma das cenas mais dramáticas do cinema brasileiro."

filme: iracema, uma transa amazônica.
sobre o filme: era uma vez iracema
diretores: Jorge Bodanzky e Orlando Senna

noite vazia - walter hugo khouri

"noite vazia" é a obra-prima de walter hugo khouri. o filme é fotografado por rudolf icsey, que dá ao filme uma atmosfera sombria. a música é do maestro tropicalista rogério duprat. e é estrelado pelas duas divas do cinema brasileiro: norma benguell e odete lara.

norma benguell que dois anos antes tinha sido a primeira atriz brasileira a aparecer em nu frontal no maravilhoso "os cafajestes" de ruy guerra, aparece agora como uma prostituta cheia de pudor, o que é uma pena, pois a cena lésbica entre essas duas deusas colocaria "cidade dos sonhos" de david lynch no chão. odete lara é a prostituta mais real (mais próxima das que eu conheço). ambas só atendem ricaços. não são garotas de rua.

o filme segue a mesma linha temática de "os cafajestes": o vazio existencial da elite endinheirada a procura de fugas de uma rotina não necessariamente cansativa, esse é o destino de luisinho e nelson, deixar suas mulheres e amantes em casa e partirem pelas boates de sp a procura de alguma novidade. um bom e atual retrato da nossa elite endinheirada.

domingo, 7 de outubro de 2007

balanço do ano.



mesmo sem nunca sentir falta de ôculos esse foi o melhor e o pior presente que ganhei em 2007. meu olhar antes alencariano agora é todo sade. meu olhar que antes via o fundo mas não o fundo do próprio fundo agora vê fundo.

sábado, 6 de outubro de 2007

padrão guel arraes.


"o homem que desafiou o diabo" de moacyr góes é mais um filme do gênero guel arraes. isso já é tudo pra dizer sobre o filme. me pergunto apenas onde esse novo gênero vai nos levar?! estamos vendo nascer uma nova pornochanchada?

vai fácil pra lista dos piores filmes brasileiros! eu só preciso encontrar algum bom teórico que já esteja estudando o nascimento desse novo desastre cinematográfico. sugestões?



quarta-feira, 3 de outubro de 2007

trilogia do pós guerra - fassbinder

fassbinder realizou uma trilogia tão preciosa quanto a trilogia das cores de kieslowski. sua trilogia do pós-guerra é formada por "o casamento de maria braun", "lola" e "o desespero de veronika voss".

a idéia é genial. a alemanha passou por dois grandes traumas - um externo (perdeu a 2a guerra mundial e consequentemente sua autonomia) e outro interno (o povo alemão saiu humilhado pelas atrocidades cometidas por hitler, sendo considerado culpado pela criação de um "monstro") - é a partir dessas duas situações que fassbinder vai fazer um levantamento do comportamento humano.

parece que todos as personagens estavam trancadas a espera de alguém que abrisse as suas jaulas. quem abriu as jaulas foram os americanos. e é esse soldado-pateta-americano o responsável pela reconstrução do país. ele é um estrangeiro que faz questão de não se misturar. ao contrário, ele marca suas diferenças. é preciso dizer quem é o vitorioso, quem é o perdedor. quem teve a razão, quem criou um monstro.

em "o casamento de maria braun" acompanhamos a vida de uma mulher que manteve a esperança de reconstruir sua vida familiar durante algum tempo, enquanto era chamada de louca pelos outros. a vida para ela era o seu marido. quando findou esssa esperança, transformou-se sem parar. saiu da condição de ovelha da guerra, a procura de sobrevivência, e passou a ser um leão, a procura de poder - é claro que não há maniqueísmo, Maria Braun pode carregar em si uma ovelha e um leão o tempo todo.


em "lola", fassbinder parte para uma análise um pouco mais coletiva da situação e mostra todas as falcatruas dos homens responsáveis pela reconstrução do país. ele não esquece do individual, mas privilegia uma análise mais coletiva. o destaque do filme fica para uma cena antológica em que lola faz uma dançinha que coloca gilda (rita hayworth) como uma amadora! é sexy, é brilhante, mas é principalmente desesperador.


em "o desespero de veronika voss" ficamos diante de um personagem que já não sabe mais como se encaixar nessa nova alemanha. uma atriz que teve grande sucesso na alemanha de hitler e que vê todo seu prestígio acabar junto com a guerra. veronika é viciada em morfina, a dra. katz junto com o apoio do secretário de saúde do governo e de um sempre silencioso soldado americano é o responsável pelo tráfico da droga. mas quem é o verdadeiro desesperado do filme? veronika ou khron? veronika é vaidosa. khron é o jornalista que tenta salvá-la. mas há realmente ajuda para a vaidade?



sugestões:
-casamento de maria braun-
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=39887839

-lola-
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=39907091

-o desespero de veronika voss-
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=39888659
e
http://www.contracampo.com.br/80/veronikavoss.htm