domingo, 2 de setembro de 2012

SOneto XVIII - Salvador Novo

Tradução minha.

Voltamos a nos ver. Ano depois de ano
sonhei com te encontrar em meu caminho.
Sol dos meus olhos, luz do meu destino!
Não gostaria, meu bem, de tomar um banho?

Nos encontramos um ao outro estranho:
Gordo tu, magro eu - mundo mesquinho!
e me alegra ver - oh, desatino!
que existem coisas que não mudam de tamanho.

Te amo como antes te amava;
com paixao, com dor, com amargura,
como se este século tivesse sido um dia.

Quero corresponder a tua ternura:
levanta a tua barriga, minha vida,
que eu já vou tirar a dentadura.

Nenhum comentário: